CONSIDERAÇÕES

A vulnerabilidade está relacionada a fatores individuais, socioeconômicos, culturais, ou seja, não é um conceito absoluto, exigindo assim, um olhar aprofundado, multidisciplinar e consciente de sua complexidade. No entanto, algumas condições nos colocam frente à concretização dessa vulnerabilidade.

 

No campo da saúde, podemos observar que o próprio fato de estar doente já se configura em estar vulnerável, no entanto, essa situação se agrava quando nos voltamos às pessoas que, pelos mais diversos fatores, estão mais sujeitadas aos vários condicionantes da relação saúde-doença.

 

Pensar na atenção às necessidades particulares dessa parcela da população é um desafio que para ser atingido, e de acordo com as atuais diretrizes para a atenção à saúde, é fundamental que se respeite o princípio da integralidade, definido na política de saúde que rege o SUS.

 

A concepção de atenção integral implica a ideia de um sistema de saúde eficiente, pautado por uma estratégia de ação centrada nas necessidades e particularidades dos indivíduos e que por sua vez também integre serviços e profissionais.

 

É neste contexto e com estas preocupações que se inserem as ações de pesquisa e extensão do Observatório.

Dra. Marta Rovery de Souza

Fundadora e Coordenadora OSaPoV

VULNERABILIDADE

Parceiros
Comitê Interinstitucional de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas do Estado de Goiás
Institucionais
Professores
Ardigò Martino  -  CSI/Universitàt di Bologna
Rosana Baeninger - NEPO/Unicamp
Colaboradores

© 2017 Observatório da Saúde de Populações Vulneráveis

Entre em contato:
(62) 98183 9663

Universidade Federal de Goiás

Instituto de Patologia Tropical e Saúde Pública - IPTSP

Departamento de Saúde Coletiva

Designed by

  • White Facebook Icon
  • White Instagram Icon
  • Branco Ícone Google+
  • White YouTube Icon
MS - Soluções Capacitação & Desenvolvimento